FUTUROS AMORES

Um blog sobre amor, arte e acaso.

5 de jul de 2009

A mão invisível.

Postado por Priscila |

Como no texto de Clarice Lispector, eu tinha uma mão invisível que segurava a minha. Essa mão tornou-se uma companhia tão sublime que me fazia sentir reconfortada por ser sozinha. E quando essa mão invisível desapareceu em núvem, senti falta dela. Uma saudade monstruosa. E como um monstro, essa saudade me devorava. Me devorava com os seus dentes finos e agudos de silêncio. O monstro me devorava e eu continuava viva.

Essa mão invisível, que eu imaginava atrelada a minha, era uma mão atenta. Uma mão atenta e sem corpo. Uma mão atenta, mas decepada do livre arbítrio. A mão era o que eu queria que ela fosse. E quando eu menos esperava, descobri que essa mão era a solidão materializada. Comecei a ter mais medo dessa mão do que de fantasma.

Tornei-me a covarde mais corajosa para enfretar a mão invisível. E antes do fim dessa batalha, já havia um morto. Um morto porque nunca foi vivo. A mão tombava em silêncio. O silêncio de núvem que me transpassava. A mão estava morta e não morria. E eu estava viva e não vivia.

Passei a viver, e a mão deixou-se morrer. Morta e em silêncio. E eu viva e em paz.

Que toda solidão seja um auto-conhecimento e não um abandono de si.

1 comentários:

poetriz disse...

Que bonito isso. Solidão não é castigo, é redenção...