FUTUROS AMORES

Um blog sobre amor, arte e acaso.

5 de abr de 2009

Eu, "pescador" de mim.

Postado por Priscila |

Ainda sob os efeitos da exposição "Vertigem" dos grafiteiros Otávio e Gustavo Pandolfo (Osgemeos), pesquisei na internet um pouco mais sobre o trabalho deles. Encontrei essa imagem que, confesso, me chamou muito a atenção.

Uma mulher, com o peito aberto, mostra o coração boiando em águas tranquilas. Nos ombros, algo que lembra uma vara de pescar. Do lado direito, peixes coloridos. Do lado esquerdo, um baicú e um homem.

Num primeiro momento, a imagem me conquistou pelo colorido, mas depois, analisando mais de perto, percebi que estes elementos não estavam ali em vão. Havia um significado.

O peito aberto da mulher, onde o coração boia soberano, é simbolicamente o local onde os peixes e o homem foram pescados. Chamo a atenção para a forma como estão expostos os frutos da pescaria: os peixes vistoso em oposição ao baiacú e ao homem.

Não é preciso ser pescador para saber que o baiacú é um peixe dificilmente consumido como alimento, pois produz uma substância tóxica que pode ser letal em caso de ingestão. Seria mera coincidência o homem ter sido colocado ao seu lado? Creio que não. O lado esquerdo do peito da figura feminina, ao meu ver, representa a má pescaria. Aquilo que não nos serve nem como alimento do corpo, nem como alimento da alma. Talvez, como o baiacú, o homem não deve ser deliciado porque é tóxico e letal...

Além disso, o homem não parece ter sido fisgado por um anzol, mas enforcado, perdendo o ar assim como os peixes que estão fora d'água. O corpo imóvel deduz a sua morte. Ele não poderá mais desfrutar das águas calmas onde o coração habita.

Mas uma questão se coloca: o homem foi "pescado" por engano ou propositalmente retirado das águas que banham o coração? Essa pergunta talvez não tenha resposta. Mas uma coisa é certa: dentro ou fora d'água, um baiacú é sempre um baiacú, é tóxico e letal. E se a comparação for razoável, e se a análise for plausível, a coisa mais acertada que a "pescadora" poderia ter feito era ter tirado de perto do coração a ameaça letal do "homem-baiacú".

0 comentários: