FUTUROS AMORES

Um blog sobre amor, arte e acaso.

28 de jun de 2012

Os homens e mulheres de instinto, consciência e reparação

Postado por Priscila |

[Parte 1]

Naquela altura ela já escrevia sem pensar. Deixava uma carta imensa que mais parecia um tratado. Escreveu tudo o que estava engasgado. Tudo que não pode dizer anos a fio acreditando que o seu silêncio era um modo de preservar algo raro. Não poupou palavras pesadas, não corrigiu os erros de português, nem retocou as rasuras com o corretivo. Foi a seco! Na lata! Sem falsas delicadezas!
Não era uma questão de violência, era uma questão de ruptura. Estava farta. Era óbvio. Mas não sabia que direção tomar.

Quando o último parágrafo foi assinado, o destinatário chegou leve e descompromissado.

Ela se perguntou: quem é esse ser? Quem é essa pessoa?

A pessoa em questão percebia a existência como um bicho: vivia por instintos. Tateava o mundo com os olhos, com o olfato, com o tato, com a língua, com o falo... E sempre queria mais estímulos... Estímulos... Estímulos...

-- Vida pobre! Vida infeliz! -- pensou por um instante enquanto segurava a carta nas mãos. Depois resolveu repensar...
-- Pobre sou eu! Infeliz sou eu! Escolhi o que de pior existe. Sou vítima de mim mesma. -- E sem pestanejar pegou suas coisas e partiu em direção à porta.

Ele perguntou: -- Onde vai? 

E ela respondeu lúcida: -- A pergunta correta é: onde estive durante todo esse tempo?

O homem de instintos não era tolo e percebeu que ela estava partindo... Sua pele se arrepiou em medo. Uma forte dor no estômago. As pernas bambearam. Seus olhos ficaram úmidos.  Tudo era intenso. Tão intenso que o fez pensar: "-- Por que estou me sentindo assim?" E o pensamentou passou a incomodar mais do que as sensações do corpo.

Deitou-se na cama e o cheiro dela ainda estava ali. O perfume o fez tremer violentamente...
"-- Por que estou me sentindo assim?"

Um dia, dois dias, um mês, um ano... E a pergunta ainda ecoava... Encontrou perdido, no canto do quarto, a carta-ruptura quem nem pensavam existir... Leu, releu. E formolou uma nova pergunta: "-- Que pessoa é essa de quem ela fala?" Passou em revista todas as suas lembranças e todos os seus atos e não via, nem por um segundo, esse ser animalizado que ela enxergava.  E no outro canto do quarto o reflexo do espelho o questionava: "-- Será?"

E como lama que sobe do fundo do rio, lembrou-se de todas as pequenas mentiras, de todos os pequenos atos de arrogância, de todos os minúsculos gestos desamor, de todo gesto banal de descompromisso, e de todos as grandes satisfações do egoísmo.

Naquele instante, o homem de instinto percebeu-se homem de consciência. E de homem de consciência desejou ser homem de reparação. Seguiu-se longos e duros anos, no silêncio dos pensamentos, para elaborar o sentimento sincero capaz de dizer uma única palavra: "Perdão".

0 comentários: