FUTUROS AMORES

Um blog sobre amor, arte e acaso.

21 de dez de 2009

Cuide de você (Prenez soin de vous)

Postado por Priscila |

Para quem levou um fora, para quem tá curtindo uma dor de cotovelo, ou pra quem só quer conferir uma boa exposição, indico "Cuide de Você" (Prenez soin de vous) da artista francesa Sophie Calle. Eu já havia postado uma foto dessa exposição no blog, mas em outro contexto. Vale a pena repetir! Segue o texto extraído do site do MAM Rio sobre a exposição.





"Sophie Calle - Cuide de Você
Por MAMrio
10 de dezembro de 2009
período 11 dez 2009 - 21 fev 2010

O que você faria se recebesse um e-mail pondo um ponto final numa relação amorosa? A artista plástica e escritora Sophie Calle, um dos mais relevantes nomes da arte contemporânea mundial, encaminhou a carta de rompimento enviada a ela por seu então namorado a mais de cem mulheres e pediu para que cada uma a interpretasse à sua maneira.


“Prenez soin de vous”. Em francês, “cuide de você”. Era a última frase do texto. Sophie decidiu seguir o conselho de um jeito pouco usual. O e-mail enviado à Sophie Calle em 2004, foi analisado por 107 intérpretes, todas mulheres, conhecidas e anônimas como uma vidente, uma física, uma mágica, uma professora de Ikebana e até um papagaio fêmea, para citar apenas algumas das colaboradoras.

Reunindo fotografias, vídeos, textos e outras formas de interpretação, o projeto se transformou na exposição “Cuide de Você”, apresentada pela primeira vez na 52ª Bienal Internacional de Arte de Veneza em 2007, onde causou sensação e polêmica. Patrocinada pela Vale e co-patrocinada pela Secretaria de Estado de Cultura, “Cuide de Você” chega ao Rio e Janeiro num formato único devido o belissimo projeto de Reidy. Com produção de Francisco Franca e Mariana Marinho, a mostra vai ocupar 2.400 m2 do Museu de Arte Moderna (MAM) carioca, entre 11 de dezembro de 2009 e 21 de fevereiro de 2010. Anteriormente, a exposição passou por São Paulo e Salvador e segue em 2010 seu percurso internacional.

“Recebi uma carta de rompimento por email que não soube responder. Era como se não fosse a mim destinada. Terminava com as seguintes palavras: Cuide bem de você. Tomei esta recomendação ao pé da letra. Pedi a 107 mulheres, escolhidas por sua profissão, seu talento de interpretar a carta sob um ângulo profissional. Analisá-la, comentá-la, interpretá-la, dançá-la, cantá-la. Dissecá-la, esgotá-la. Fazer-me compreender. Falar no meu lugar. Uma maneira de sentir o tempo do rompimento. No meu ritmo. Cuidar bem de mim”, afirma Sophie Calle, no texto de apresentação da exposição.

A mostra, na verdade uma grande instalação, é dividida em módulos. Abre com um grande mural de 33 atrizes e cantoras (nome original da peça), que têm suas fotos expostas de um lado e vídeos de suas interpretações-performances da carta do outro. Um segundo mural, chamado de pergaminhos, vai reunir fotos e ampliações dos documentos gerados pelos comentários de outras 60 mulheres participantes. “São documentos com traduções da carta em braile, código morse, estenografia, código de barras e outras linguagens gráficas, que as colaboradoras usaram na intenção de dar corpo ao e-mail de rompimento recebido”, adiantam os produtores Francisco Franca e Mariana Marinho, responsáveis pela organização da mostra no Rio.

Fotógrafa e documentarista, Sophie Calle nasceu em 1953, em Paris, cidade onde vive e trabalha. Sophie já usou temas globais como fonte de sua arte, como a queda do Muro de Berlim, mas é conhecida por usar a sua vida como fonte de inspiração artística. Conceitual, e com o princípio de que a realidade, muitas vezes, é mais interessante que a ficção, Sophie usa como mote de seu trabalho situações do dia-a-dia, como registrar todos os passos de um estranho, de Paris a Veneza ou fotografar as malas de hóspedes em um hotel onde foi camareira. O que gera polêmica, mas, para supresa da própria artista, nenhum processo judicial. A artista faz questão de dizer que é um desafio expor as situações extraordinárias que todo ser humano vive. E que a transformação dessas realidades em arte é uma maneira de ter controle sob a vida e não ficar na posição de vítima dos sentimentos.

“Este patrocínio faz parte da estratégia da Vale de levar cultura às regiões onde a empresa está presente", afirma o diretor de Comunicação Corporativa e Imprensa da Vale, Fernando Thompson.

A exposição "Cuide de Você" é uma iniciativa da Secretaria de Estado de Cultura, através da Casa França-Brasil. Para Adriana Rattes, secretária de estado de Cultura, Sophie Calle é uma das mais interessantes artistas francesas contemporâneas. “Há alguns meses estamos empenhados em trazer essa exposição para cá e ficamos muito felizes por tê-lo conseguido", comemora Adriana Rattes.

O e-mail

“No dia em que recebi esta carta de rompimento por e-mail, seu autor publicava um livro. O livro era dedicado a mim, ele me deixou no dia de sua publicação. No e-mail, o autor mencionava o título e assinava seu nome. A fim de que sua identidade não influenciasse as interpretações - só sete mulheres sabiam quem ele era - troquei seu nome por um X e o título do livro pela palavra “escritos”. Com o projeto encerrado, ele tomou conhecimento e, a seu pedido, restituí as iniciais de seu nome e de seu livro.” (Sophie Calle)

X-Sieve: Server Sieve 2.2
Date: 24 Apr 200419 : 13 : 35 + 0200
Subject: ...
From: g.
To: sophie calle


Sophie,

Já faz um tempo que quero lhe escrever e responder ao seu último e-mail, ainda que me parecesse melhor falar-lhe de viva voz o que tenho a dizer.
Mas ao menos tudo estará escrito.

Como você pode ver, eu andava mal ultimamente. Era como se eu já não me reconhecesse mais dentro de minha própria existência. Uma forma terrível de angústia contra a qual eu não posso muita coisa a não ser seguir em frente, correndo, na tentativa de ultrapassá-la como sempre fiz.

Desde quando nos reencontramos você me impôs uma condição: de não se tornar “a quarta”. Eu concordei com seus termos: há meses deixei de ver as “outras”, não encontrando nenhum meio de fazê-lo sem que evidentemente você também se tornasse uma delas.

Eu acreditava que isto me bastaria, eu acreditava que amá-la e ter o seu amor bastariam para que a angústia que sempre me impele a buscar satisfação e nunca estar tranquilo ou simplesmente feliz e “generoso”, se acalmasse ao seu toque e na certeza que o amor que me dedicava era o mais benéfico para mim, o mais benéfico que jamais conhecera, você bem sabe. Eu acreditei que “O I...” seria um remédio que dissiparia a minha “inquietude” para poder reencontrá-la. Mas não. Tudo se tornou ainda pior, nem posso ao menos lhe descrever o estado em que me sinto em minha pele. Então, essa semana, recomecei a procurar “as outras”. E sei o que isto significará para mim e aonde estou me deixando levar.

Eu nunca menti para você e não será hoje que vou começar.

Havia uma regra que você impôs no começo do nosso relacionamento: no dia em que deixássemos de ser amantes, me ver, não lhe seria mais possível. Você sabe como esse impedimento não pode me parecer mais desastroso, injusto (já que você ainda se encontra com B., R., ...) e compreensível (obviamente); já que nunca poderei me tornar seu amigo.

Mas hoje, você pode dimensionar a importância de minha decisão pelo fato de estar prestes a me dobrar a sua vontade, já que não vê-la mais, nem lhe falar, nem saborear do seu olhar sobre as coisas e as pessoas e da sua doçura para comigo, me farão uma falta infinita.

Aconteça o que acontecer, saiba que nunca deixarei de amá-la da minha maneira e que é a mesma desde que lhe conheci e que continuará em mim, e sei, nunca morrerá.

Mas hoje, não haveria pior farsa que manter uma situação que você sabe tão bem quanto eu, ter se tornado irremediável visto o amor que lhe dedico e aquele que você me dedica e que me obriga ainda, a esta lealdade, como última promessa em nome do que vivemos e que para sempre será único.

Eu adoraria que tudo pudesse ser diferente.

Cuide bem de você.

G.
"

1 comentários:

Parte de mim disse...

Fabuloso, mas já foi o tempo.
Ainda bem que pude ter uma documentação para conhecer e ler.
Essas cartas são difíceis, mas necessárias. Recuperar o amor próprio.